TX Nefario - шаблон joomla Форекс

Beneficiados com o ‘boom’ das commodities na década passada, os principais países da América Latina viram suas economias despencarem nos últimos três anos. A queda drástica no preço de insumos como petróleo e minério de ferro fez com que antigos líderes saíssem do poder com altos índices de rejeição. Culminou, também, com o colapso social e econômico da Venezuela. Enquanto os produtos, responsáveis por grande parte das economias da região, voltam a valorizar, países como Argentina, Brasil e Chile passam por uma agenda dura de reformas, para colocar a região na rota do crescimento. Presidente do Conselho Empresarial da América Latina (Ceal), Ingo Plöger, brasileiro de origem alemã, se diz otimista com o futuro da região. Formado em engenharia mecânica e pós-graduado em economia, ambos os cursos realizados na Alemanha, o líder empresarial enxerga as reformas como um processo de amadurecimento da região. “O continente nunca deixou de ser atraente para os investidores pela grande gama de oportunidades”, indica.

Para ler matéria na integra acesse:  ISTOÉ Dinheiro